BISPO

Dom Giovanni Crippa, filho de Rita Maggioni e Franco Crippa, nasceu a 6 de outubro de 1958, em Besana in Brianza (Milão). Viveu sua infância e adolescência na cidade de Barzanó (Lecco) – Itália.

Em 1964 ingressou no Seminário Menor dos Missionários da Consolata em Bevera di Castello Brianza (Lecco) e completou seus estudos superiores nos Seminários de Varallo Sesia (Vercelli) e Rovereto (Trento).

Em 1981 emitiu os primeiros votos no Instituto Missões Consolata. Estudou filosofia na FIST (Federação Inter-religiosa para os Estudos Teológicos) em Turim e teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma. Foi ordenado Presbítero no dia 14 de setembro de 1985. Entre os anos de 1987 a1993 foi animador missionário e vocacional na Casa Mãe do seu Instituto (Turim).

Em 1996 doutorou-se em História da Igreja na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Entre os anos de 1993 a 2000 foi Professor na Faculdade de Missiologia e no Instituto de Catequese Missionária da Pontifícia Universidade Urbaniana (Roma). De 1988 a 2005 foi membro da Equipe de coordenação do Departamento Histórico do Instituto Missões Consolata.

Chegou ao Brasil em 2000, e desde 2001 trabalhou em Feira de Santana onde foi Vigário Paroquial da Paróquia Santíssima Trindade (2001 – 2003) e, a partir de 2004, Pároco dessa mesma Paróquia; foi Diretor Espiritual no Seminário Arquidiocesano Sant’Ana Mestra, Professor na Faculdade Católica de Feira de Santana, Membro do Conselho Presbiteral da Arquidiocese, Conselheiro Provincial de sua Congregação, Conselheiro Espiritual das Equipes de Nossa Senhora e Diretor Espiritual do Encontro de Casais com Cristo.

No dia 21 de março de 2012, foi nomeado pelo Papa Bento XVI Bispo Titular de “Accia” e Auxiliar da Arquidiocese de São Salvador da Bahia.

Nomeado pelo Papa Francisco Administrador Apostólico da Diocese de Estância no dia 25 de setembro de 2013, foi nomeado Bispo de Estância no dia 09 de julho de 2014. Tomou posse no dia 24 de agosto de 2014.

BRASÃO

O Brasão é formado por um escudo com campo vermelho (o mundo) e verde (a esperança de salvação), sobre o qual aparece uma alegoria gráfica dourada, simbolizando o Espírito Santo. Neste campo, vemos uma cruz de ouro, que simboliza o Cristo. Esta cruz nasce de uma flor-de-lis – a Virgem Maria – mãe do Salvador do mundo. O anel de prata que envolve o centro da cruz lembra-nos a fé professada pelos cristãos, ao tempo que um livro branco, com duas letras gregas, nos indica Aquele que esteve preso à cruz, mas ressuscitou. Ele é o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, anunciado pelos Apóstolos e seus sucessores. Do livro sagrado saem raios iluminando todo o mundo com a Palavra da Salvação indicando-nos assim o carisma “ad gentes” dos Missionários da Consolata, congregação a qual pertence Dom Giovanni Crippa. Sob o campo vermelho vemos duas hóstias, lembrando-nos que a Eucaristia é o centro e o ápice da vida cristã e deve ser repartida para a salvação de todos, remetendo-nos ao lema episcopal: “In aedificationem Corporis Christi”, isto é, “Para edificar o Corpo de Cristo” (Ef 4,12), que é a Igreja.